28 de fev de 2010

Ceviche de peixe com camarão


Comecei a ser um apreciador do Ceviche a pouco mais de uma mês. Até então não tinha nada a declarar sobre a e gastronomia Peruana,  porém agora o Peru me remete quase que instantaneamente ao ceviche (estranho né!!).

Esse prato delicioso, nada mais é do que o resultado da combinação de peixes e frutos do mar com boas doses de sumo de limão (para "cozinhar" a carne), temperos e "ají" ou pimenta.

Ingredientes:

- 300 g de filé de peixe (linguado, robalo ou pescada branca)
- 20 camarões médios sem casca da Netuno
- 8 tomates tipo cereja
- 2 pimentas-dedo-de-moça em tirinhas
- 2 dentes de alho pequenos picados
- 2 cebola roxa média em tirinhas
- Suco de 8 limões
- Sal e coentro a gosto

La Peleja:

Corte o peixe em cubos de 3 cm de lado (nesta receita utilizei o Pescada branca). Reserve.

Numa tigela, coloque os cubos de peixe, sal, o alho,o suco dos limões, a cebola e a pimenta. Misture muito bem. Acerte o sal, se necessário e reserve por 30  minutos.

Para servir retire o caldo do limão, acrescente os tomates, o coentro e os camarões.

Acompanhamento:

Uma cerva gelada.

Pefeito!!!!

16 de fev de 2010

Camarão ao molho de gengibre


Terça-feira de carnaval. Neste momento estaria no Bairro do Recife Antigo acompanhando os Maracatus.

Diante deste momento de tanta melancolia, posto aqui uma bela receita de camarão ao molho de gengibre.

Confesso que o gengibre não me apetecia até fazer o Ceviche de Salmão. Para mim, o gengibre só dava certo pra curar inflamação na garganta, mas me surpreendi com o rapaz nesta última receita.

Comecei a fuçar as receitas que levam gengibre chegando assim a uma muito boa e que deu muito certo. E lhes digo:

“Camarão com gengibre não é um dia de carnaval em Olinda mas é bom demais”.

Ingredientes:

500g Camarão Netuno grande descascado
50g Manteiga
50g Azeite oliva
1 Cebola média ralada
2 Colheres ( sopa ) de mostarda amarela
2 Xícaras ( chá ) de água
50g Gengibre ralado
Sal e pimenta do reino, a gosto

A Peleja:

Refogue o camarão rapidamente com azeite e alho até que você tenha uma salmora e reserve.

Leve ao fogo em uma panela a manteiga e o azeite, refogue o gengibre e a cebola. Coloque a mostarda, o sal e a pimenta ‘a gosto, acrescente a água, a salmora do camarão e deixe refogar um pouco. Acrescente os camarões e deixando cozinhar um pouco.

Sirva em seguida com arroz branco e batata souté.

Pronto!!!

13 de fev de 2010

Evoé Seu Cardoso



Estamos em pleno sábado de Zé Pereira e após três anos sem subir e descer as ladeiras da querida Olinda me pego nesta época filosofando demais aqui em Sampa.

Essa semana passei rapidamente pela Oscar Freire e ao avistar a grande ladeira da Rua Augusta em direção a Av. Pauliusta (esquina com a Oscar Freire), pensei com meus botões do paletó:

“Eita ladeira boa pra subir frevando, nesse calor de quase 40 graus”.

Nesta época muitas das lembranças que tenho se repetem, mas este ano fui além e cheguei ao meu Carnaval de 1988.

Lembrei de Seu Cardoso, um morador simpático da Rua do Amparo, que em uma bela noite teve um sonho onde seus antepassados, que eram índios, o ensinavam a preparar uma bebida tradicional de sua família chamada de:

"O Pau do Índio”.

Se eu vi Seu Cardoso mais de duas vezes em todos os anos que passei Carnaval em Olinda foi muito, mas sua bebida, para não dizer “O Pau do índio” já tomei bastante.

A tal da bebida, além do pó de guaraná, leva em torno de 32 ingredientes. As ervas utilizadas são da região e ficam em infusão durante aproximadamente 30 dias. Depois outros ingredientes são adicionados à mistura: gérmen de trigo, cana de cabeça, açúcar e aroma natural, chegando assim a um teor alcoólico quase da cachaça normal.

Se Seu Cardoso ainda está vivo, confesso que não sei, mas quanto ao “Pau do Índio”, com certeza ainda está presente em todos os carnavais de Olinda.

Muito estranho o que vou falar, mas me dou este direito em um grande momento melancolia:

“Eita saudade do Pau do Índio!!!!!!!!!!!!”

Evoé Seu Cardoso!!!!!
Evoé: Expressa entusiasmo, exaltação, intensa alegria.

Inté!!!!!!!!

10 de fev de 2010

Ceviche de Salmão


A receita original leva abacate, mas por não me apetecer optei por tirá-lo. Confesso que ficou bem melhor. Todos os sabores ficaram bem transparentes. Primeiro o shoyu, o mel e o suco de limão. Depois a cebola, o tomate e o coentro. E para o grand finale o sabor de peixe (no caso, o SALMÃO).

Essa é uma das primeiras receitas que faço que consigo distinguir todos os sabores na primeira degustação. Incrível.

Uma boa entrada para receber os amigos.

Ingredientes:

200 gr de salmão;
300 ml de shoyu;
50 ml de suco de limão;
Pedaços ralados de gengibre;
20 gr de mel;
8 folha(s) de coentro;
40 gr de cebola roxa fatiada(s);
40 gr de tomate cereja.

A Peleja:

Misture o shoyu, o suco de limão, o mel, o gengibre ralado e reseve.

Deixe o filé de Salmão marinando nesse molho por 1 a 2 horas.

Após a marinada, fatie o filé de salmão como se fosse sashimi e disponha em um pirex fundo, intercalando com a cebola, tomate cereja e coentro.

Jogue um pouco do molho da marinada por cima e em volta das fatias de Salmão, cebola, tomate e coentro.

Pronto!!!

Inte!!!

7 de fev de 2010

Boeuf Bourguignon


Demorou, mas aqui vai a receita do Boeuf Bourguignon.
Para entender esse post leia este primeiro.

Ingredientes - para 4 pessoas
150 g de bacon cortados em cubinhos
1 kg de alcatra cortada em cubos grandes (pode ser músculo ou coxão mole também)
2 cenouras descascadas e fatiadas
1 cebola grande descascada e picada
1 garrafa de vinho tinto seco
Ramos de alecrim e tomilho
1 folha de louro
1 talo de alho poró
1 anis estrelado
1 dente de alho picado
200 g de champignons Paris (eu uso o congelado)
1 tablete de caldo de carne
1 tablete de tempero de cebola
Sal e pimenta a gosto
Echalotes
Água
Açúcar

Modo de fazer
Na véspera do dia em que for servi-lo, pegue uma bacia de cozinha (com tampa) e coloque a carne, a cebola, o alho, as cenouras, o alecrim, o tomilho, o alho poró e o anis estrelado. Mexa tudo para que os temperos fiquem impregnados na carne e nos legumes e regue com o vinho. Leve à geladeira por no mínimo 12 horas.

No grande dia, tire a marinada de carne da geladeira e separe a carne do restante dos ingredientes. Tire o máximo possível do caldo da carne. Ela precisa ficar sequinha para "selar" no óleo quente, garantindo sabor e maciez.

Pegue uma panela grande, esquente.

Coloque os cubinhos de bacon, espere fritar, e então ponha os cubos de carne.
Após "selar" os cubos da carne por igual, coloque na panela o restante dos ingredientes (menos os champignons), o tablete de caldo de carne e deixe cozinhar por pelo menos duas horas, ou até que a carne esteja macia. (No meio do cozimento, experimente, acerte o sal e a pimenta. Faça o mesmo quando estiver finalizando o cozimento, mas cuidado com o exagero de sal.)

Enquanto a carne está cozinhando, pegue uma panelinha, coloque manteiga, espere derreter e coloque os champignons e o tablete de tempero de cebola. Espere dar uma leve cozida e reserve.

Numa outra panela, coloque as echalotes descascadas, coloque água para cobri-las e espere começar a ferver. Vá acrescentando açúcar. O objetivo é a echalote ficar caramelizada. Mas cuidado para não queimar. Vá experimentando...água e açúcar, até elas ficarem macias (vão perder a acidez por causa do cozimento) e douradas (por causa da açúcar). Finalize colocando um pouco de sal e pimenta.

Para acompanhar o boeuf eu costumo fazer pure de batatas inglesas. Faça-o bem cremoso. Fica divino.

Ao final do cozimento, junte os cogumelos à carne.

Sirva com as echalotes, o pure, e claro, um bom vinho tinto.

Voilà:

Camarão na Moranga

Camarão na Moranga de Dona Hildete 

O Camarão na Moranga é um prato típico da culinária praiana do Brasil, preparado com a abóbora de formato típico chamada moranga, recheada com camarão e queijo fundido.

Esse é um dos pratos mais conhecidos do restaurante Oficina do Sabor que fica em Olinda-PE. Um prato muito especial que leva o nome de "Jerimum Frevo é". Quem vai a Recife ou a Olinda não pode deixar de visitá-lo e conhecer o grande Chef César Santos.

De férias em Recife fui agraciado por minha querida mãe (Dona Maria Hildete) por este prato inigualável.

A criatividade do Chef César Santos faz com que o Camarão na Moranga se torne um verdadeiro FREVO.

A palavra FREVO vem de ferver, por corruptela, frever, que passou a designar: efervescência, agitação, confusão, rebuliço; apertão nas reuniões de grande massa popular no seu vai-e-vem em direções opostas, como o Carnaval, de acordo com o Vocabulário Pernambucano, de Pereira da Costa.

É desta forma que as pessoas ficam ao degustar este prato.

Vamos frevar?

INGREDIENTES:

15 Camarões pré-cozidos e descascados
4 Lagostas pré-cozidas e descascadas
2 Xícaras de calda de maracujá
½ Cebola cortada em tirinhas
1 Colher (sopa) manteiga
1 Colher (sopa) azeite de oliva
1 Colher (sopa) mostarda
1 Colher (chá) tempera tudo
10 Frutos de zimbro
1 Colher (chá) endro
1 Jerimum jacarezinho de 1,½ kg
1 Colher (sopa) requeijão

PREPARO:

Dore a cebola na manteiga e no azeite, acrescente a calda de maracujá com um pouco de água, tempere com o restante dos ingredientes, coloque os camarões e as lagostas, deixe cozinhar um pouco e engrosse com a maizena diluída na água, reserve. Abra o jerimum com um tampo, retire toda a semente, lave a casca com sabão e água, coloque no forno em um tabuleiro com água, deixe cozinhar entre 30 e 40 minutos. Depois do jerimum cozinhado, recheie com o creme de maracujá já preparado e finalize com a colher de requeijão.


Inté!!!!

6 de fev de 2010

Oficina do Sabor - 16 anos (Olinda - PE)


Aqui vai nossa homenagem ao grande Chef César Santos da Oficina do Sabor (Olinda - PE) pelos seus 16 anos de sucesso:

O Oficina do Sabor comemora 16 anos de sucesso. Ao longo desses anos, das mãos criativas do chef César Santos saíram sabores tipicamente pernambucanos, que ganharam uma nova linguagem e tornaram-se referência no mundo.


Se for a Recife ou a Olinda, não deixe de ir.

Inté!!!

4 de fev de 2010

Cartola Pernambucana


A cartola foi considerada Patrimônio Cultural e Imaterial do Estado de Pernambuco pela Lei 13.751. A sobremesa traduz um pouco da deliciosa gastronomia do Estado. Cartola é, definitivamente, a cara de Pernambuco.

A receita, que combina banana madura, queijo de manteiga, canela e açúcar é uma mostra de miscigenação dos três principais povos formadores da nossa cultura, sendo produzida pela primeira vez nas casas-grandes dos engenhos. O prato, portanto, como tantas outros, nasceu da mistura de ingredientes, técnicas, experiências e hábitos culturais do colonizador português, do índio e do escravo africano.

O nome se deve, provavelmente, à cor escura da canela e ao formato alto do queijo sobre a banana - que remotamente lembra uma cartola usada pelos lordes ingleses.
Fonte: Folha de Pernambuco e site da Assembleia Legislativa

INGREDIENTES:

2 bananas pratas maduras, 1 colher de sobremesa de manteiga, 2 fatias grossas de queijo do sertão, 1 xícara de açúcar cristal, 2 colheres de sopa de canela.

A PELEJA:

- Frite as bananas na manteiga, até que fiquem bem douradas. Coloque já no prato em que vai ser servida.

- Derreta o queijo, no fogo (se necessário use um pouquinho de leite). Esse queijo deve cobrir completamente as bananas.

- Misture açúcar e canela. E cubra o queijo, generosamente. Tanto que sobre bastante, pelos lados do prato - posto que, com freqüência, se usa esse excesso para besuntar a garfada dessa banana com queijo. Sirva imediatamente.

Inté!!!!